Sexta-feira, 20 de Julho de 2007

Se

Andava aqui a vasculhar nas minhas coisas e tropecei nisto. Se quiserem (re) conhecer, se quiserem olhar só, se quiserem ler, se quiserem dissecar, se…

 

 

Se

 

Se consegues manter a cabeça quando todos à tua volta

Perdem a deles e te culpam por isso;

Se consegues confiar em ti mesmo quando todos à tua volta duvidam de ti,

Mas és tolerante para com as dúvidas deles;

Se consegues esperar sem desanimar com a demora,

Ou, sendo caluniado não recorres à mentira,

Ou, sendo odiado, não cedes ao ódio,

E contudo não tens uma aparência demasiado bela, nem falas de forma sábia;

 

Se consegues sonhar – sem deixar que os sonhos te dominem;

Se consegues pensar – sem fazer dos pensamentos o teu objectivo;

Se consegues encontrar-te com o Triunfo e o Desastre

E tratas ambos os impostores da mesma forma;

Se consegues suportar ouvir a verdade que falaste

Ser distorcida por charlatães e usada para enganar os tolos,

Ou ver as coisas por que arriscaste a vida serem destruídas

E vergas-te e reconstróis tudo de novo com ferramentas partidas;

 

Se consegues fazer um monte com todos os teus êxitos

E o arriscas de uma só vez,

E perdes, e começas outra vez do princípio,

Sem nunca lamentares a tua perda;

Se consegues controlar o teu coração, a tua força e o teu corpo

E cumpres a tua parte mesmo depois dos outros já terem desistido,

E dessa forma resistes quando não há mais nada em ti

Excepto a Vontade que te diz – Continua!

 

Se consegues falar com multidões sem perderes a virtude,

Ou caminhar com reis – sem perder o senso comum;

Se nem amigos nem inimigos te conseguem magoar.

Se todos confiam em ti, mas nenhum em demasia;

Se consegues preencher o minuto inesquecível

Com sessenta segundos de caminhos percorridos –

Tua é a Terra e tudo o que nela habita

E – o que é mais importante – tu és um Homem, meu filho!

 

 

Rudyard Kipling

publicado por MB às 22:49
link do post | favorito
De Raquel Bernardes a 20 de Julho de 2007 às 23:34
O teu blog está mesmo muito fixolas. Se quiseres adicionar o meu tás à vontade. O teu vai para a minha lista ;) beijocas. Kel
De KI a 21 de Julho de 2007 às 00:57
Permite-me por-te aqui aqui esse poema de Kipling numa outra tradução que aprecio mais :-)

Bom fim de semana
Beijos


Se podes conservar o teu bom senso e a calma
No mundo a delirar para quem o louco és tu...
Se podes crer em ti com toda a força de alma
Quando ninguém te crê...Se vais faminto e nu

Trilhando sem revolta um rumo solitário...
Se à torva intolerância, à negra incompreensão
Tu podes responder subindo o teu calvário
Com lágrimas de amor e bençãos de perdão...

Se podes dizer bem de quem te calunia...
Se dás ternura em troca aos que te dão rancor
(Mas sem a afectação de um santo que oficia
Nem pretensões de sábio a dar lições de amor)

Se podes esperar sem fatigar a esperança...
Sonhar, mas conservar-te acima do teu sonho...
Fazer do pensamento um arco de aliança
Entre o clarão do inferno e a luz do céu risonho...

Se podes encarar com indiferença igual
O triunfo e a derrota, eternos impostores...
Se podes ver o bem oculto em todo o mal
E resignar, sorrindo, o amor dos teus amores...

Se podes resistir à raiva e à vergonha
De ver envenenar as frases que disseste
E que um velhaco emprega seivadas de peçonha
Com falsas intenções que tu jamais lhes deste...

Se podes ver por terra as obras que fizeste,
Vaiadas por malsins, desorientando o povo
E sem dizeres palavra, e sem um termo agreste
Voltares ao princípio a construir de novo...

Se puderes obrigar o coração e os músculos
A renovar um esforço há muito vacilante,
Quando no teu corpo, já afogado em crepúsculos,
Só exista a vontade a comandar avante...

Se vivendo entre o povo és virtuoso e nobre..
Se vivendo entre os reis, conservas a humildade...
Se inimigo ou amigo, o poderoso e o pobre
São iguais para ti à luz da eternidade...

Se quem conta contigo encontra mais que a conta...
Se podes empregar os sessenta segundos
Do minuto que passa em obra de tal monta
Que o minuto se espraie em séculos fecundos...

Então, ser sublime, o mundo inteiro é teu!
Já dominaste os reis, os tempos, os espaços!...
Mas, ainda para além, um novo sol rompeu,
Abrindo o infinito ao rumo dos teus passos.

Pairando numa esfera acima deste plano
Sem receares jamais que os erros te retomem
Quando já nada houver em ti que seja humano
Alegra-te, meu filho, então serás um Homem!...


RUDYARD KIPLING


Nota: è tão grande mas tão bonito.Perdoa-me a ocupação do espaço.

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 


recentes scripta

Sibila est

Hipotermia (II)

Quarto de Pandora

António

Quiet Nights of Quiet Sta...

Catarse

RP sem Croquetes!

Por una Cabeza

Imortal

porta

Monólogos de Valium

Tardes de Saudade e um Ge...

...

Moinhos de Vento

Bilhete para o fim do dia

designed by Rui Barbosa