Sábado, 30 de Janeiro de 2010

Pêndulo

“Do outro lado da barreira é mais fácil. Nem se nota tanto o frio, porque em gelo se vive. Um iglu de sombras que nos prendem os tornozelos como se fosse grilhões da memória a estancar o sangue. Nunca é fácil, eu sei, mas habituei-me à fácil dificuldade do frio. E, se no balanço dos carris voo pêndulo de saudades, gelo na distância de um lume ardendo baixinho na tua voz que sussurra para a minha alma do outro lado do som que o pêndulo não tarda em balançar. Se ao menos o pêndulo tivesse um único sentido e não oscilasse entre inverno e primavera… Era mais fácil o comodismo de não sentir. E morrer inerte, virgem de sentidos e de sabores. Jazer no cemitério onde, pela primeira vez, senti saudades tuas ao pé de ti. ‘Faz boa viagem’ e eu quis ficar; dar-te a mão e descer a rua contigo, com todos a olhar e a balançar no pêndulo. Não eu. Os outros. Era mais fácil se tivesses ignorado que eu me ia embora no dia a seguir. Nunca setembro foi tão quente na minha hipotermia. Nunca o tempo foi tão quente na minha hipotermia. É por isso que eu ando sempre de luvas, para guardar na minha pele o quente da tua mão. E enquanto o pêndulo dura o seu balanço ao pé de ti, dura o luar que me aquece. Como o de ontem. Que eu vi a subir a rua de mão dada contigo, com todos os outros a olhar e a balançar no pêndulo. És o ‘dá-me lume’ do Jorge Palma. Ontem… eu fui ver o jogo e tu ao teatro. A vida dá voltas. Uma história dramaticamente linda, disseste tu. Mandaste-me mensagem com a frase que te ditou a noite ‘amo-te mais do que apenas mais um dia.’

Troquei de roupa, enrosquei-me nos cobertores e fechei os olhos. Correram na tela da memória imagens que pensei ter apagado e outras que nunca tinha visto. O pêndulo levou-me ao iglu, fez-me voltar, fui inverno e primavera… Que o pêndulo continue a balançar, desde que continue a balançar para ti. Ontem não to disse, não vi a Eunice Muñoz a dizê-lo, nem sei qual foi o ano do pensamento mágico. Não sei se um dia chega.

Amo-te mais do que apenas mais uma vida.”

 

música: Here Comes the Sun - The Beatles
publicado por MB às 22:57
link do post | explanare | favorito

recentes scripta

Sibila est

Hipotermia (II)

Quarto de Pandora

António

Quiet Nights of Quiet Sta...

Catarse

RP sem Croquetes!

Por una Cabeza

Imortal

porta

Monólogos de Valium

Tardes de Saudade e um Ge...

...

Moinhos de Vento

Bilhete para o fim do dia

designed by Rui Barbosa