Segunda-feira, 4 de Agosto de 2008

Pandorinha

 

Quando fui buscar as minhas coisas a Braga e deixei no quarto apenas o que estava colado na parede, achei que podia congelar o meu mundo, para que quando voltasse tivesse uma realidade que é só minha à minha espera. Depois, congelei-me e fiquei à espera que o tempo passasse só para mim, num oxímoro impensado. Afinal o tempo passava só para os outros e eu ficava à espera que os papéis estivessem no mesmo lugar. O certo é que estão e não sairão de onde estão. Porque quando chegar a Braga hei-de ter a minha caixa de Pandora à espera, para que quando abrir a porta seja revisitada por todas as memórias que acarinho com todo o egoísmo do mundo.

Mas o Verão não foi feito para eu estar congelada. Aliás seria demasiado antitético. E como tudo estava a ficar demasiado pesado, tirei um peso dos ombros – literalmente! Grande parte do meu cabelo desapareceu (vá, chega um bocadinho abaixo do queixo). Tive uma colega que sempre me dizia que em cada fase da nossa vida devemos encarar a realidade com um corte de cabelo diferente. Isto até pode parecer um bocado fútil, será mesmo, não sei.

Sei que há tempos para tudo. E sei que a minha escrita tirou uma licença sabática não autorizada por mim e depois eu só escrevo parvoíces... Deixem lá, é do Verão e dos químicos!


 


 


 

p.s. - post exigido por uma necessidade maluca de me expressar provocada pela visita à banda sonora da série O.C.


 

música: Rain City - Turin Brakes
publicado por MB às 16:53
link do post | explanare | favorito
1 comentário:
De Laú a 9 de Agosto de 2008 às 17:19
O que realmente é importante para nós fica marcado no coração e vem à mente naqueles momentos em que nos interrogamos se estamos no caminho certo...
Qualquer objecto que nos tenha acompanhado em alguma fase ou alguma situação ficará para sempre ligado à felicidade que esse momento nos provocou e jamais será esquecido.
Por exemplo, podes ter a certeza de que cada vez que olho para uma fartura me lembro de ti! looool

Ti goto... E felizmente tenho muita coisa que me faz lembrar os muitos e bons momentos que me propocionaste. (bem, se alguém lê isto ai tirar conclusões precipitadas, não?)
Beijo grande...

PS- Braga vai estar à tua espera com os braços abertos e imensa saudade.

Comentar post

recentes scripta

Sibila est

Hipotermia (II)

Quarto de Pandora

António

Quiet Nights of Quiet Sta...

Catarse

RP sem Croquetes!

Por una Cabeza

Imortal

porta

Monólogos de Valium

Tardes de Saudade e um Ge...

...

Moinhos de Vento

Bilhete para o fim do dia

designed by Rui Barbosa