Terça-feira, 11 de Setembro de 2007

O meu amor existe

Fizeram-me uma reclamação, há uns dias, porque disse aqui que ia ter um outro casório e não escrevi uma linha sobre ele. Ora bem, o que se passou foi que fiquei com pena do primeiro casamento e seria muito mau da minha parte pôr-me aqui a esmiuçar as qualidades do segundo (embora vontade não falte). Mas, não falar do casamento do meu Colego, não quer dizer que não me tenha marcado muito mais.

Só que acho que não posso pôr a luz pequenina a todos os ventos, porque eles podem apagá-la. As coisas realmente importantes ficam apenas na Memória.

 

E agora, fica aqui uma música em português, porque a “nicas pretinha” está sempre a dizer que não ouço música portuguesa. Bem, esta é para os Titios.

 

O meu amor tem lábios de silêncio
e mãos de bailarina
e voa como o vento
e abraça-me onde a solidão termina
 
O meu amor tem trinta mil cavalos
a galopar no peito
e um sorriso só dela
que nasce quando a seu lado eu me deito
 
O meu amor ensinou-me a chegar
sedento de ternura
sarou as minhas feridas
e pôs-me a salvo para além da loucura
 
O meu amor ensinou-me a partir
nalguma noite triste
mas antes, ensinou-me
a não esquecer que o meu amor existe

 

Jorge Palma

publicado por MB às 17:06
link do post | explanare | favorito
2 comentários:
De AEu a 11 de Setembro de 2007 às 17:41
A minha constante presença em eventos tipo casamento leva-me a ter uma opinião experiente sobre o assunto, e posso até dizer que quanto mais eventos destes, mais vontade tenho de estar longe deles! De facto estes acontecimentos sociais perdem o sentido quando são mais formas de demonstração de poder económico, de imponência, e de mera festa circense, com palhaços sem qualidade (o deste fim de semana passado tinha um palhaço que só enchia balões e não lhe vi um único sorriso), não só os vestidos a rigor como todos os outros que só lhes falta o escarlate fato para o serem inteiramente.
Concordo que o que de melhor ficar de uma manifestação social deste tipo, e com recatos de privacidade, é aquilo que fica na Memória! Para isso também ajudarão as fotos a visionar dentro do próximo ano.
Contudo a sociedade vive destas manifestações - umas são grandes palhaçadas, outras, cabe a cada um de nós tentar fazer delas algo de bom, simples, bonito, rodeadas de um ambiente que possibilite a vivência plena do sentido que deverão ter, sem mais nem menos condimentos, a fim de não perturbar a sua digestão global! Assim a Memória guardará o que é realmente importante, para cada um de nós. Quiça para alguns, muito, para outros muito pouco mais que o sabor da vitela embrulhada numa couve!
Beijinhos! AEu
De Álvarela a 26 de Setembro de 2007 às 20:35
Se alguém precisar de dicas sobre casórios a seguir ao caro colego AEU ", os fofos estão disponíveis também a dar umas dicas, sim meus amigos no dia 5 de Outubro, os fofos testemunham ao 7 casório em 2007. Sim perceberam bem (sete). Portanto cria aqui enviar um abraço a quem tem mais de um casório por ano...
Abraços

Comentar post

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

© Marta Barbosa 2007

recentes scripta

Sibila est

Hipotermia (II)

Quarto de Pandora

António

Quiet Nights of Quiet Sta...

Catarse

RP sem Croquetes!

Por una Cabeza

Imortal

porta

Monólogos de Valium

Tardes de Saudade e um Ge...

...

Moinhos de Vento

Bilhete para o fim do dia

designed by Rui Barbosa