Quarta-feira, 6 de Junho de 2007

Até amanhã...

Este é provavelmente o último post que escrevo durante o meu secundário. Estranho, acho que foi ontem que mudei de escola. Mas o tempo voa, corre, desliza por entre os dedos e faz-nos sentir que não aproveitamos convenientemente o que nos foi dado para gozar. Acho que o tempo nos faz sentir muito culpados, principalmente quando olhamos para trás e vemos que três anos pareceram três segundos, mas bem curtinhos…

Não foi sempre fácil, mas foi sempre muito lucrativo. Penso ter evoluído mais nestes três anos do que no resto da minha, ainda tão breve, existência. Bati muito com a cabeça, com os braços, com os joelhos, com tudo, mas abri muito os meus horizontes, o meu coração. Fui obrigada a calcar o orgulho, a ser menos arrogante com os outros, a ser mais sociável, a ser menos isolada. Encontrei muitos pontos divergentes dos meus, encontrei muitos ombros que estiveram lá para enxugar as lágrimas do riso e do choro. Encontrei amigos. Pena é a vida seguir o seu curso e levá-los a eles, ou a mim, para outros caminhos: uns mais distantes que outros. Mas, é exactamente assim que deve ser – há alturas em que temos que abrir as asas e rasgar o céu num voo de gaivota, migrar, porém, saber onde ficaram as memórias para onde podemos sempre voltar.

Disse há uns tempos a um amigo de infância para seguir em frente e não olhar para trás, porque nós não precisamos de olhar para saber que os amigos estão sempre lá. É como se virmos o passado como alicerce do futuro – não vemos as fundações de uma casa, mas sabemos que é isso que a mantém de pé!

Vai ser estranho deixar tudo isto para trás. E dizer Adeus parece-me tão definitivo. E dizer Até sempre tão lugar-comum. Acho que vou dizer até amanhã e fingir que é um dia normal.

 

Deixo, ainda, a minha música de todas as despedidas em apenas que digo Até Amanhã:

 
  
Listen, baby
 
Ain't no mountain high
Ain't no valley low

Ain't no river wide enough, baby

 

If you need me, call me
No matter where you are
No matter how far
Just call my name
I'll be there in a hurry
You don't have to worry

 

'Cause baby,
There ain't no mountain high enough
Ain't no valley low enough
Ain't no river wide enough
To keep me from getting to you

 

Remember the day
I set you free
I told you
You could always count on me
From that day on I made a vow
I'll be there when you want me
Some way, some how

 

'Cause baby,
There ain't no mountain high enough
Ain't no valley low enough
Ain't no river wide enough
To keep me from getting to you

 

No wind, no rain

 

My love is alive
Way down in my heart
Although we are miles apart
If you ever need a helping hand
I'll be there on the double
As fast as I can

 

Don't you know that
There ain't no mountain high enough
Ain't no valley low enough
Ain't no river wide enough
To keep me from getting to you

 

Don't you know that

 

There ain't no mountain high enough

Ain't no valley low enough
Ain't no river wide enough

 

Marvin Gaye - Ain't No Mountain High Enough

publicado por MB às 15:18
link do post | explanare | favorito
|
6 comentários:
De Susaninha a 6 de Junho de 2007 às 20:02
Olá martinha bem é 1ª vez que veio fazer um comentário , só vou dizer poucas palavras mesmo. Mas aqui vai:
Em 1º nunca se deve olhar para traz, porque nos estamos bom caminho para nosso ou vosso futuro, por isso há coisas que não devemos esquecer aqueles que te ajudaram. Nunca se deve dizer ate amanha ou ate para sempre porque faz muita falta quando as coisas terminam deste tempo todo, basta só dizer ate logo assim não bate as saudades mas sim faz lembrar o que fizemos (fizeste) este ultimo de 3anos . beijokas mt grande
De KI a 13 de Junho de 2007 às 19:04
Menina, é incrível acreditar que tens 17 anos! Com essa cabecinha organizada e a pensar tão bem, vislumbro que consigas tudo a que te propões :)

Tudo de bom para esata fase masi trabalhosa, que excedas as tuas expectativas e consigas ir estudar para onde pretendes.

Beijos :) tu mereces!
De http://shakermaker.blogs.sapo.pt a 22 de Junho de 2007 às 09:53
Ora viva!

Concordo, não vale a pena olhar para trás, pois se o que fica for verdadeiro, então vai permanecer no mesmo lugar se um dia decidirmos voltar.

Gosto muito desta música do Marvin Gaye, é um daqueles hinos "lamechas" que nos lembram que o caminho é sempre para a frente. E é mesmo.

Um abraço...
shakermaker
De JoanaTorrado a 25 de Junho de 2007 às 11:43
Bom dia.

Parabéns pelo Blog, tem um merecido destaque na Homepage do SAPO e aqui (http://blogs.sapo.pt/destaques.bml).

Boa continuação :)
De afronauta a 25 de Junho de 2007 às 12:57
Maior do que a alma de Fernando Pessoa, só mesmo a adimiração por ela!
De kituta a 6 de Julho de 2007 às 00:10
Ja disseste tudo... Estou realmente emocionada... Sem palavras...

(Desculpa a demora mas sabes que isto de atropelar carros ainda nos faz perder um tempinho...)


Adoro-te!

Comentar post

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

© Marta Barbosa 2007

recentes scripta

Sibila est

Hipotermia (II)

Quarto de Pandora

António

Quiet Nights of Quiet Sta...

Catarse

RP sem Croquetes!

Por una Cabeza

Imortal

porta

Monólogos de Valium

Tardes de Saudade e um Ge...

...

Moinhos de Vento

Bilhete para o fim do dia

designed by Rui Barbosa