Domingo, 21 de Março de 2010

A Poesia

É uma luz que desce a escada do poema e

se senta à porta, esperando que o dia entre

para dentro da estrofe.

 

É uma voz que se encontra ao corrimão

da palavra, e sobe sílaba a sílaba até chegar

ao patamar do verso.

 

É o eco que nasce de um canto perdido

nos quintais do poema, e atrai os pássarps

para dentro desta imagem.

 

É a mão que percorre as linhas da frase,

como se fossem as linhas da vida, e decide

em cada cesura um ponto final.

 

Como se a poesia nascesse do silêncio, ou

um grito a empurrasse para a vibração

de um último eco.

 

 

 

 

 

Nuno Júdice, in Guia de Conceitos Básicos (a minha aquisição deste Dia Mundial da Poesia)

música: a do silêncio das pausas das palavras
publicado por MB às 22:28
link do post | explanare | favorito
|

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

© Marta Barbosa 2007

recentes scripta

Sibila est

Hipotermia (II)

Quarto de Pandora

António

Quiet Nights of Quiet Sta...

Catarse

RP sem Croquetes!

Por una Cabeza

Imortal

porta

Monólogos de Valium

Tardes de Saudade e um Ge...

...

Moinhos de Vento

Bilhete para o fim do dia

designed by Rui Barbosa