Segunda-feira, 22 de Fevereiro de 2010

Criação

Notas soltas. Presas

nos teus olhos, ao sabor do vento que tos faz

fechar. Quando os fechas, essas notas correm

nas encostas do teu rosto como gotas de

chuva.

São gotas de chuva a cair num lago. Num dia

de primavera, com o sol a iluminar a memória.

São vento revolto nos teus olhos. Só os fechas para

guardar essa intensidade de sensações, para manter vivo

esse instante de gotas de chuva a cair num lago.

De olhos fechados, deixas que essas gotas caiam,

uma a uma, por ti, num prazer insano de lábios,

na procura de um som que seja nota solta de

cada gota, no encontro de uma mão que as prenda

na tua memória.

E se o vento se esgota nas intempéries da vida ou

nas tempestades amainadas da saudade, olhas sobre o ombro e

vês que atrás de ti o rodopio das notas ainda

dança.

Numa cama desfeita.

 

 

(21.02.2010 | numa viagem de comboio enxuta)

música: a que os olhos criarem na leitura ou na memória
publicado por MB às 22:29
link do post | explanare | favorito
|
1 comentário:
De aumento seno a 16 de Março de 2010 às 12:03
Este texto bonito. escrever é uma terapia natural que nos ajuda não só para lançar luz sobre os problemas, mas também para superar

Comentar post

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

© Marta Barbosa 2007

recentes scripta

Sibila est

Hipotermia (II)

Quarto de Pandora

António

Quiet Nights of Quiet Sta...

Catarse

RP sem Croquetes!

Por una Cabeza

Imortal

porta

Monólogos de Valium

Tardes de Saudade e um Ge...

...

Moinhos de Vento

Bilhete para o fim do dia

designed by Rui Barbosa