Segunda-feira, 28 de Setembro de 2009

Diário de Bordo

 

E só é preciso acordar. Abrir os olhos. Olhar para o lado e ver que afinal só estávamos sozinhos porque estávamos adormecidos. A cama não estava vazia, nós é que não sentíamos o calor do lado. Acordar e ver que afinal ainda é possível um mundo novo, construído por nós, com a ajuda dos que chegam. Dos que querem chegar.
Tinha ficado sentada na berma da estrada a ver a vida passar e a atirar-me poeira para os olhos. Alguém parou para me dar boleia, para me limpar as chagas do caminho que já não aguentava mais passos, para me ajudar a ler o mapa, para ser GPS e para ser bússola. Voltei à estrada e escolhi outra rua para seguir. Ainda se pode construir muita coisa em cima de ruínas. Braga nasceu em cima da Bracara Augusta e é uma cidade muito bonita. Das cinzas nasce uma Fénix e nas asas de uma Fénix corre-se o mundo. Ou num tapete voador. Corre-se um mundo novo num tapete voador.

Vou de boleia com a vida até à próxima estação. Finalmente há alguém à espera.

música: A whole new world - Peabo Bryson
publicado por MB às 23:09
link do post | explanare | favorito
|
1 comentário:
De Marina a 29 de Setembro de 2009 às 00:06
Tenho 2 bons motivos para comentar este texto. O primeiro, já a virar repetitivo, é que acho que o texto está lindissimo e o segundo é porque gosto de dizer a frase "eu bem te disse".
A ecuridão chega, envolve e passa. Dificil é abrir os olhos para ver que já há um "raiozinho de sol" ou uma vela. :)
Fico muito muito muito feliz por ti!

Goxmuiti.

Comentar post

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

© Marta Barbosa 2007

recentes scripta

Sibila est

Hipotermia (II)

Quarto de Pandora

António

Quiet Nights of Quiet Sta...

Catarse

RP sem Croquetes!

Por una Cabeza

Imortal

porta

Monólogos de Valium

Tardes de Saudade e um Ge...

...

Moinhos de Vento

Bilhete para o fim do dia

designed by Rui Barbosa