Quinta-feira, 18 de Junho de 2009

As Monumentais Festas do Casamento da Gata - Home Sweet Home

 

Finalizados os preparativos (suspiro) que tanto trabalho me têm dado, lembro-me agora que se me dissipou a lembrança de que sou como uma sem-abrigo com um vestido de noiva no roupeiro. É verdade, (ai, ai - suspiro) sou como a gata que não tem onde cair morta: ora poiso em casa da Marina, ora em casa do João, ora por aí na casa de mais amigos e chegados, e isto é para as vezes em que não tenho de ficar no carro. (Ai, ai-ai - suspiro)

Está decido tenho que arranjar um lar – não de 3ª, não de 2ª, mas de 1ª idade -, a nossa caixa de areia do amor. Aprendi em Direito (da Comunicação) que só usamos o verbo contrair para casamento, dívidas e doenças! Como com este calor o odor das caixas de areia está pela hora da morte e eu só quero contrair casamento, vou pedir aos meus parentes e futuros parentes (uma vez que toda a gente me ama profundamente, pelo menos enquanto interessa) para me providenciarem um pedacinho de quintal, jardim ou canteiro se mais não for, para estacionar a minha roulotte – dá para casa, casa de praia, casa de campo, casa da montanha, casa de alterne, casa do rio, casa da cidade, casa de banho, casa da aldeia, Santa Casa da Misericórdia, casa do povo ou até casa do Benfica! (tudo isto com placa de vitrocerâmica)

Visto que não sobrar dinheiro depois do investimento matrimonial, faremos uma ligação ao poste de electricidade mais próximo com vista a poupar na luz; usaremos a box da TV por cabo do familiar generoso e amigo; quanto ao gás… será por conta própria.

A decoração está ainda pendente da agenda do moçoilo que me ajudou com as pulgas no dia da despedida de solteira, para me auxiliar na escolha dos móveis.

O país e o casamento, todos os dias, no quintal do meu tio!

 

 

Trulilooooooo!

música: Não Demores - Nuno e Fábia
publicado por MB às 02:34
link do post | explanare | favorito
|
4 comentários:
De Marina de Uta a 18 de Junho de 2009 às 02:45
Oh menina,
Eu sei que és muito dada ao meio ambiente e que depois do casamento talvez até entres naquela onda do auto-sacrificio televisivo da greenpeace... mas daí a referires que as tuas comichões (as mesmas que dão origem ao que de melhor já te aconteceu) é graças às pulgas... O "moçoilo que ajudou com as pulgas no dia da despedida de solteira", uma gaita! O moçoilo que te ajudou com as comichões (ponto final)...
Enfim menina... de qualquer forma acho bem que ele te ajude com a decoração... inclusive acho bem se ele te ajudar a escolher o colchão da cama de casal (suspiro). Não vá ele ser duro e o casamento virar uma dor de cabeça. (Daquelas em que primeiro nao fala, depois não...)
Bem... como Dama de Horror que sou, pouco mais posso fazer do que desejar que tenhas uma vida (conjugal) muito feliz na tua caixa de areia do amor...
Bjus
Goxmuiti, ó noiva!
De Silvéria a 18 de Junho de 2009 às 17:10
"Aprendi em Direito (da Comunicação) que só usamos o verbo contrair para casamento, dívidas e doenças!"

Aprendeste? Eu não :P

Tem um campo abandonado à frente de minha casa... se cortares o mato que lá tem talvez seja habitável. Ou então moras no meio do mato, também não é problema :P
De Zi a 19 de Junho de 2009 às 14:17
Keres arranjar um lar d 1ª idad?!Bem...seu fox tu fazia o mm ka vixnh d baixo! LOL
Aos fins d seman ja ta sobrealugado, mas a semana num ta...ainda! inscrevet:P

LOL
beijinhuzzz
De Q.B. a 21 de Junho de 2009 às 04:41
E contrair os músculos que tanto me doem de rir estes posts?

Comentar post

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

© Marta Barbosa 2007

recentes scripta

Sibila est

Hipotermia (II)

Quarto de Pandora

António

Quiet Nights of Quiet Sta...

Catarse

RP sem Croquetes!

Por una Cabeza

Imortal

porta

Monólogos de Valium

Tardes de Saudade e um Ge...

...

Moinhos de Vento

Bilhete para o fim do dia

designed by Rui Barbosa