Terça-feira, 30 de Dezembro de 2008

Yin Yang

 

Vivemos sempre em metades.


 


 

Metade do tempo a procurar o equilíbrio, metade do tempo a vivê-lo. Metade do tempo a ser feliz, metade do tempo a procurar sê-lo. Metade de nós raiva, metade amor. Metade de nós paciência, metade desespero. Metade de nós esperança, metade deserto.


 


 

Metade de nós nos outros. Metade de nós perdida. Metade de nós em nós.


 


 

Desejei que 2008 fosse o ano da minha vida. Aprendi que os desejos só são possíveis em metades. Metade no ano da minha vida, a outra metade no ano do meu inferno. O mundo tem que continuar suspenso no nada do nada, daí essa necessidade quase pérfida de equilíbrio. E por isso o meu ano teve que ser um Yin Yang. Sem centro de equilíbrio. Agulha partida. Bússola com norte pela metade. É sempre tudo pela metade. Metade da mala. Metade das camisas. Metade da força de ter que “por força fazer a mala”.


 


 

E no meio das metades todas que formam uma unidade tosca a que chamo Eu, percebi que esta estória toda de evoluir neste equilíbrio não é deixar tudo para trás e correr muito para a frente. O que é mesmo necessário e pegar em tudo, ou nas metades de tudo, com ou sem mala, pô-las debaixo do braço e seguir com calma, em frente, nesta estrada também preta e branca.


 


 

A todos os que foram importantes este ano, aos que ainda me abraçam, aos que já não o podem fazer, aos que poderiam mas não devem, aos que não querem, aos que não imaginam que se possa abraçar uma criatura chamada Marta, aos que se sentaram no banquinho a que limpo o pó para que se continuem a sentar, aos que mantêm vivas as memórias, aos que amam, aos que choram, aos que piscam o olho, aos que rezam, aos que não conhecem Deus, aos que gritam, aos que sussurram, às fénix, ao chão, à chuva, às borboletinhas, aos sinais. Às metades. Aos que foram. Aos que vieram (ou estão a chegar). Aos que ficam, rente ao peito a lembrar que as metades valem por si só.


 

Que 2009 seja o ano das nossas vidas (ainda que na possibilidade de ser pela metade).

publicado por MB às 17:59
link do post | explanare | favorito
|
2 comentários:
De Marina a 30 de Dezembro de 2008 às 18:38
Que 2009 seja também o ano da tua vida.
Porque está tudo pelas metades mesmo. Para 2009 levaremos sempre o que vivemos em 2008, em 2007, em... tu sabes! É só um novo ano que começa e no qual viveremos coisas que, para o ano, lembraremos como parte de um ano que foi o que foi porque já tinham existido mts anos antes desse...

Espero que tenhas uma excelente entrada em 2009 e que este seja mais um ano em que nos possamos sentar, conversar, rir, falar de coisas boas e menos boas, dar sermões, ouvir sermões, compreendermos o que a outra sente ou não compreendermos mas estarmos lá à mesma. Que este seja mais um ano para gozar com a brigada do croquete e as aulas de condução, para falarmos do qui-quadrado que o joão recebeu no natal ou fazer guerras de hi5 em plenas aulas.

Um bom ano para ti, pinipon :p
Vemo-nos em 2009... no campo...
De José Raposo a 4 de Janeiro de 2009 às 02:50
Sabes que não tenho jeito para grandes comentários...
mas achei que devia passar por aqui só para deixar um beijinho a alguém que eu gosto muito.
A alguém que eu quero ver feliz e não só pela metade!

Feliz Ano, mitrinha!!!

Comentar post

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

© Marta Barbosa 2007

recentes scripta

Sibila est

Hipotermia (II)

Quarto de Pandora

António

Quiet Nights of Quiet Sta...

Catarse

RP sem Croquetes!

Por una Cabeza

Imortal

porta

Monólogos de Valium

Tardes de Saudade e um Ge...

...

Moinhos de Vento

Bilhete para o fim do dia

designed by Rui Barbosa