Terça-feira, 12 de Agosto de 2008

Vita Brevis

 

Ainda não aprendi a usar o pretérito imperfeito, nem a torná-lo perfeito. Só vivi metade do que hei-de viver e já dizia o meu amado Júdice “a vida partiu-se-lhe ao meio. Talvez não ao meio: teria chegado a vivê-la?” E assim sendo, ainda há muito tempo para aprender a usar os verbos nos tempos correctos, a corrigir as palavras mal ditas, a saber manipular esta Melancolia em Sentido Próprio.

É que se a minha cabeça nunca foi muito boa, agora está pavorosa. E digo-o sem intenções de despertar piedades ou encantos de compaixão forçada. Digo-o porque é verdade. Porque o meu Lado Esquerdo está uma completa confusão. Já não há guias de orientação e a minha cabeça não pára e eu estou sempre a tentar torná-la oca. O mundo é maior que eu e eu ainda não aprendi a viver na pequenez da existência sem drogas, sem vozes constantes a perturbar-me o sono que não durmo, sem uma vontade incapaz de gritar em choro tudo isto que me atormenta. O Caeiro é que tinha razão quando dizia que “Pensar incomoda como andar à chuva quando o vento cresce e parece que chove mais.

Não quero pensar, não quero, não quero e não quero. Mas não consigo e tenho a cabeça povoada de duendes maquiavélicos que não se calam e sussurram ladainhas de rosários de memórias e eles agrilhoam-me. Já não me lembro da última vez que escrevi, pelo menos da última vez que escrevi duas palavras que tivessem um sentido aceitável. E não faz sentido, porque se eu ouço as vozes devia conseguir. Se calhar é tudo como dizia o Eugénio de Andrade: “Já gastamos as palavras...” E eu já não as posso usar porque os meus olhos não são “peixes verdes”.

Está na hora de aprender a ler a poesia dos outros e aceitar que a minha fica como está. Com Tudo o que temos cá dentro.

música: Vita Brevis - Rodrigo Leão
publicado por MB às 23:51
link do post | explanare | favorito
|
4 comentários:
De Marina a 13 de Agosto de 2008 às 00:10
A tua poesia vai fluir e vai crescer e vai ser lida por muitas pessoas. Serás grande na escrita porque já o foste e ainda o és!
[Error: Irreparable invalid markup ('<br [...] <a>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

A tua poesia vai fluir e vai crescer e vai ser lida por muitas pessoas. Serás grande na escrita porque já o foste e ainda o és! <BR class=incorrect name="incorrect" <a>Nao</A> tenho medo de errar. Não temo as palavras porque sei que elas são as minhas melhores amigas mesmo quando não as consigo juntar com a perfeição que, por vezes, gostaria de alcançar. <BR>Se procurares bem, as palavras estarão em ti. Talvez não seja, simplesmente, este o momento certo para as passares para o papel. Mas quando te apetecer fazê-lo e o fizeres, estou certa de que será grandioso. <BR>Para mim, o que torna um poeta grande, não é quantos poemas escreve nem a métrica ou a rima ou a perfeição de cada verso! O que torna um poeta grande é o que ele sente, como ele sente, como ele transmite o que sente. Eu conheço uma grande poeta porque te conheço! <BR>Neste vida, Martinha, aprenderás a dar razão a estas palavras ainda que agora soem irreais, do mesmo modo que aprenderás a "usar os tempos verbais" e a acalmar as vozes da tua cabeça. <BR>Quero q saibas q te admiro muito! Enquanto pessoa, enquanto amiga, enquanto poeta! <BR><BR class=incorrect name="incorrect" <a>Goxti</A> <BR class=incorrect name="incorrect" <a>bjus</A>
De KI a 19 de Agosto de 2008 às 00:03
O lado esquerdo às vezes é tramado mas o ladodireito (talvez entendido pelo racional) chama-nos e diz-noz q a vida é fantástica e nunca deixa de nos surpreender ainda q n acreditemos :)

Marta tu és uma pessoa maravilhosa, n é preciso conhcer te para ver e sentir isso, escreves com a alma, e quem te amar deve ver-te como o "pricinpezinho dizia" com os olhos do coração.

Abraço e escreve q eu saboreio sempre :)
De Laú a 20 de Agosto de 2008 às 17:24
Linda, os teus olhos hão-de ser sempre peixes verdes. Hão-de ser um poço de força e alegria para mim.
Por vezes as pessoas mudam, se calhar até nós mudamos e mudamos a maneira de olhar para essas pessoas... Mas quem é maravilhosa como tu, nunca o há-de deixar de ser...
E por mais que todo o mundo tenha gasto as palavras, eu terei sempre todas as palavras de alento que tu mereces.
Como disse o Campos "saudade de não ter trazido o passado na algibeira"... Os momentos ficam porque "Tudo vale a pena se a alma não é pequena"... E no teu caso, podemos dizer que tens uma alma como daqui à lua.
Txi goto
De aeu a 29 de Agosto de 2008 às 00:27
Olá colega!
Já falamos e/ou dissertamos mais ou menos sobre este assunto, algumas vezes! E com jeito, vamos sempre chegar ao mesmo lugar! Qualquer humano que tenha a plena consciência da realidade "real" do mundo à sua volta e mais além, tem, inevitavelmente muitos problemas na sua forma de estar e de tentar encaixar-se na sociedade! Se formos coerentes, tudo à nossa volta parece-nos incoerente! Se formos honestos, somos comidos por todos! E se não lutarmos, matam-nos! Ora aí tens! A vida, dia após dia, é uma guerra! Tanto física como psicológica! E não há outra forma... com as armas de que formos dispondo, temos que lutar! Há dias em que tudo parece um abismo sem fim, mas haverá dias em que o sol radioso irá dar um ar da sua graça, e aparecerá a verdade de que somos realmente construídos!
Uma beijoca forte! Com ou sem drogas prescritas a ajudar, bora lá" que para a frente é que é o caminho!
[Error: Irreparable invalid markup ('<br [...] <a>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

Olá colega! <BR>Já falamos e/ou dissertamos mais ou menos sobre este assunto, algumas vezes! E com jeito, vamos sempre chegar ao mesmo lugar! Qualquer humano que tenha a plena consciência da realidade "real" do mundo à sua volta e mais além, tem, inevitavelmente muitos problemas na sua forma de estar e de tentar encaixar-se na sociedade! Se formos coerentes, tudo à nossa volta parece-nos incoerente! Se formos honestos, somos comidos por todos! E se não lutarmos, matam-nos! Ora aí tens! A vida, dia após dia, é uma guerra! Tanto física como psicológica! E não há outra forma... com as armas de que formos dispondo, temos que lutar! Há dias em que tudo parece um abismo sem fim, mas haverá dias em que o sol radioso irá dar um ar da sua graça, e aparecerá a verdade de que somos realmente construídos! <BR>Uma beijoca forte! Com ou sem drogas prescritas a ajudar, bora lá" que para a frente é que é o caminho! <BR class=incorrect name="incorrect" <a>AEu</A>

Comentar post

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

© Marta Barbosa 2007

recentes scripta

Sibila est

Hipotermia (II)

Quarto de Pandora

António

Quiet Nights of Quiet Sta...

Catarse

RP sem Croquetes!

Por una Cabeza

Imortal

porta

Monólogos de Valium

Tardes de Saudade e um Ge...

...

Moinhos de Vento

Bilhete para o fim do dia

designed by Rui Barbosa