Domingo, 27 de Janeiro de 2008

Grilo Falante

“Perde-se muito da mensagem inicial no processo de comunicação. E tu, estranho ser de coração miniatura, tagarelas o que te salta desse coração num impulso de egoísmo que até provocaria asco no grande ditador. Porque tu, estranho ser de coração miniatura, não sabes manter as pessoas à tua volta, como se gostasses dessa solidão de onde foges em cada brecha que deixa estender uma mão amiga. Depois, é muito natural que as pessoas fujam de ti, estranho ser de coração miniatura. Para além de natural, é justo! Sabes que há coisas que não são para ser faladas, sabes que há conversas que não é preciso ter, são as ‘confissões já confessadas, mas no abstracto, no absurdo das nossas vidas’. Para quê espicaçar as almas dos que gostam de ser teus, estranho ser de coração miniatura? Perde-se um mundo em comunicações que não devem ser comunicadas. E depois? Quando volta a mão amiga? Será que te manda um sinal quando surgir na curva da vida? Vá, senta-te e pelo menos tenta manter a dignidade, tens a eternidade para olhar para essa curva deserta…”

 

A minha consciência hoje falou comigo…

música: Lilac Wine - Jeff Buckley
publicado por MB às 21:29
link do post | explanare | favorito
|

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

© Marta Barbosa 2007

recentes scripta

Sibila est

Hipotermia (II)

Quarto de Pandora

António

Quiet Nights of Quiet Sta...

Catarse

RP sem Croquetes!

Por una Cabeza

Imortal

porta

Monólogos de Valium

Tardes de Saudade e um Ge...

...

Moinhos de Vento

Bilhete para o fim do dia

designed by Rui Barbosa