Terça-feira, 1 de Janeiro de 2008

Papilio

Vou rasgando o meu casulo de crisálida. Penso que a metamorfose terminou. Ou então, este ciclo terminou e já não é neste casulo que eu vou continuar a minha condição volátil. Vou rasgando devagarinho…para não me ferir nem comprometer as cores que quero exibir numa parada de novas oportunidades. O mundo afigura-se à alma radioso em todo o esplendor, num êxtase de sinestesias, mesmo que seja a noite a trazer o cheiro do tecto estrelado para onde a cigarra foge a gritar que vive.

 

Rasguei o meu casulo de crisálida. E muito custou fazer com que as asas que agora exibo passassem em tão estreita fenda. Mas era tempo de me fazer a outra estrada. De construir novo casulo para nova metamorfose em novo lugar. Acomodar-me é deixar de viver o meu efémero ciclo de ponteiros. O meu circulo da terra. E eu sou só uma borboleta, não posso ser presa. A não ser quando me colocam dentro de um livro e só me usam para exibir a outros coleccionadores. Mas, aí, não sou eu. É o meu retrato a sépia, desbotado numa nostalgia irreversível. As cores que conquistei são para ser exibidas numa parada de novas oportunidades.

 

Saio do meu casulo rasgado. Sei o que fui. Porque foi o que fui que me abriu caminho até este casulo rasgado de onde saio. Mas, é por saber o que fui e o que posso ser que rasgo este casulo. Agora tenho asas, quero voar bem alto…

 

 

 

Feliz 2008

música: Dreams in Colour - David Fonseca
publicado por MB às 17:42
link do post | explanare | favorito
|
9 comentários:
De Marina a 1 de Janeiro de 2008 às 21:24
Adorei o texto.
Além de escreveres muito bem compreendi-o como alguém que ja passou por tudo isso.
Quem me dera conseguir agora abrir as minhas asas que, apesar de serem negras tb merecem ser mostradas e fugir deste lugar onde me sinto tao estranha.

Lá dizia a minha Esthinati: "O que importa a cor das minhas asas se, quando as abro, tb consigo voar?"

Só que, por agora, eu não consigo...~


Parabens pelo texto e pela coragem
GOXTI

bj
De AEu a 1 de Janeiro de 2008 às 22:11
Colega... as palavras podem e devem transmitir o nosso estado de alma! Por vezes descrevemos jardins floridos, outras, desertos sem qualquer oásis na miragem! No caminho da vida, as " metamorfoses" vão-nos ajudando a adaptar a este mundo hostil e hospitaleiro! Paradoxo??? Não! Para alguns de nós o que é hostil, para outros é hospitaleiro! Somos diferentes, e daí a riqueza! O facto de teres ganho "asas" agora, apenas significa que tens mais responsabilidades, pois podes ver o mundo de um nível mais acima! Ficas mais responsabilizada pelo seu crescimento! Não apenas o teu! Grande fado! Coragem ! I'll be side by side , if you need !
Próspero Ano 2008
De Vasko a 1 de Janeiro de 2008 às 22:45
Circulo da terra... Eu já vi isso em algum lado. Será possível que andes a ler o que deixo esquecido em tua posse? ;)

Remeto-te para a minha "crisálida pálida", numa espécie de premente afirmação da pertinência do arco-íris nas asas de cada um de nós.

Os pássaros feridos são nossos enquanto a nossa bondade de os curar é urgente e vital, mas depois há que os deixar voar quando a plenitude de um baixo horizonte oprime a sua renovada vitalidade.

Desejo que saibas sempre que tropeçar é bom, cair muito mais, quando se sabe bem onde vamos aterrar.

Feliz 2008! ****

De Laú a 2 de Janeiro de 2008 às 21:11
"Agora tenho asas, quero voar bem alto…"

Linda... eu estarei aqui para te ver levantar voo, para te ver chegar às estrelas... e já sabes a conversa do helicóptero, né??
beijo mto grande...

PS- Tá LINDO o post...
De ______ a 3 de Janeiro de 2008 às 14:03
"E eu sou só uma borboleta, não posso ser presa. A não ser quando me colocam dentro de um livro e só me usam para exibir a outros coleccionadores. Mas, aí, não sou eu. É o meu retrato a sépia, desbotado numa nostalgia irreversível. As cores que conquistei são para ser exibidas numa parada de novas oportunidades." Brilhante vou levar-te comigo pro Trampolim!! Desculpa a aus~encia fim-de-ano atribulado. Gosto de ti miuda um beijo grande e um 2008 FuNtÀsTiCo!!!!
De CatarinaB a 6 de Janeiro de 2008 às 21:23
De CatarinaB a 6 de Janeiro de 2008 às 21:24
De CatarinaB a 6 de Janeiro de 2008 às 21:27
Desculpa. Queria comentar na minha linguagem, com música, mas isto não ta a dar...
Fica aqui a letra, ouve a música quando puderes...

_____________________________________________

Sara Tavares - Voá Borboleta

Voá borboleta, abri bôs asas e voá
Bem trazêm quel morabeza
Quand m'oiábô
Bô ca têm ninhum tristeza
Mesmo si bô ta morrê manhã
Dor ca ta existi pa quem voá

Borboleta, borboleta
Abri bôs asas e voá, mesmo se vida bai amanhã
Borboleta...
Se um prende vivê ess vida
Cada dia voá

É um mensagem pa tude gente
Qui tá sobrevivê, tude alguêm sim força pá voá pa vivê
Lá na mei de escuridão,
No podê encontra razão
Só no credita
No podê voá

Borboleta, borboleta
Abri bôs asas e voá
Mesmo se vida bai amanhã
Borboleta
No podê vivê nos vida
Cada dia voá
De Zezito a 12 de Janeiro de 2008 às 15:06
"Sei o que fui. Porque foi o que fui que me abriu caminho até este casulo rasgado de onde saio. Mas, é por saber o que fui e o que posso ser que rasgo este casulo. Agora tenho asas, quero voar bem alto…"

Voas e voarás...

Nunca ficas-te presa. És e serás uma lutadora feliz!


Obrigado por seres assim!

Comentar post

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

© Marta Barbosa 2007

recentes scripta

Sibila est

Hipotermia (II)

Quarto de Pandora

António

Quiet Nights of Quiet Sta...

Catarse

RP sem Croquetes!

Por una Cabeza

Imortal

porta

Monólogos de Valium

Tardes de Saudade e um Ge...

...

Moinhos de Vento

Bilhete para o fim do dia

designed by Rui Barbosa