Domingo, 25 de Novembro de 2007

Périplo no Deserto

O tempo é uma linha suspensa, presa por coisa alguma. O mundo gira à volta desse campo magnético sem agulha, porque a parti em pedacinhos para poder distribui-la pelos meus pontos cardeais, dispersos neste espaço sem definição e sem alcance da razão ou do discernimento.

É um caminho apocalíptico, este que percorremos de olhos vendados. O verdadeiro conforto é, ironicamente, a venda que não nos permite ver o que realmente se passa à nossa volta. Sinto-me feliz, às vezes, na minha ignorância. Porque quando levanto, subtilmente, quase num sopro, a ponta do véu a visão eufórica que tenho do mundo toma o seu oposto e surge o paradoxo da nossa reles existência. Porque, de facto, quando olho à minha volta vejo que os que se acomodaram na sua ignorância são felizes. Habituados na sua escuridão controlada e imposta por uma sociedade (ainda) castradora. Mas são felizes. São como a pobre ceifeira que canta…

Continuo este meu apocalipse sem saber por onde vou. Sem conseguir entender a mesquinhez das pessoas e as ondas que levantam num mar sem marés. Eu pensava que o mundo era diferente. Mas não é, porque as pessoas não querem. Há quem goste de ser mártir sem martírio e quem não o seja sendo torturado até à alma que é a primeira a morrer neste mundo absurdo.

A vida é um périplo no deserto, não por causa dos animais que nos aparecem, mas por andarmos atrás de um oásis que só se materializa numa miragem.

publicado por MB às 11:43
link do post | explanare | favorito
|
2 comentários:
De Laú a 25 de Novembro de 2007 às 22:39
"Sinto-me feliz, às vezes, na minha ignorância"
Acho que esta vai passar a ser uma frase que me vai acompanhar no resto da minha caminhada.
Escreves mesmo bem! Uma beijoka
De CatarinaB a 9 de Dezembro de 2007 às 19:21
Desculpa se não tenho comentado, Martinha!... Não é que não leia mas deixas-me sempre sem palavras e eu penso: "Agora não me sai nada de jeito, quando tiver mais calma comento!...". Mas nunca tenho calma! Ando um bocadinho stressada!... Demasiados objectivos para atingir em tão pouco tempo...

Parabéns! Cada vez estás melhor!

Obrigada por nunca me ignorares, melhor: por sempre me teres dado apoio quando preciso e por falares cmg qd n tas nem aí!... Resumindo: obrigada por seres minha VERDADEIRA AMIGA!

ADORO-TE!

Beijinhos

Comentar post

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

© Marta Barbosa 2007

recentes scripta

Sibila est

Hipotermia (II)

Quarto de Pandora

António

Quiet Nights of Quiet Sta...

Catarse

RP sem Croquetes!

Por una Cabeza

Imortal

porta

Monólogos de Valium

Tardes de Saudade e um Ge...

...

Moinhos de Vento

Bilhete para o fim do dia

designed by Rui Barbosa